Estamos pagando caro pelos nossos cartuchos?

cartucho CBC

Em função de diferentes fatores, o custo de cartuchos aumenta em nosso país a ponto de prejudicar a prática das diferentes disciplinas de tiro ao voo. Neste artigo, apresentamos uma breve discussão sobre o assunto.

Por Luiz Eduardo Dias

O cartucho

No exterior, existem cartuchos confeccionados de diferentes materiais, que utilizam buchas de diversos compostos e esferas de chumbo ou de aço, que podem ser revestidas, ou não, com outros metais ou ligas. Portanto, quando se compara preços de cartuchos é importante ter o cuidado de ser específico.

Vejamos o cartucho básico vendido no Brasil. Ele é confeccionado com polietileno e latão, contendo uma espoleta padrão, podendo ter uma variação entre dois tipos de pólvora; uma bucha confeccionada de polietileno e quantidades diferentes de esferas de chumbo, que podem ser de diferentes diâmetros. Portanto, qualquer comparação de preços entre os cartuchos nacionais e os fabricados no exterior, deve ser realizada com o cuidado de modo a manter certa similaridade entre os produtos.

Cartuchos T200 light 8 CBC
Cartucho comercializado no Brasil, com tubo e bucha de polietileno. Foto: Luiz E. Dias

Variação de preços nos componentes dos cartuchos

Entre os componentes dos cartuchos nacionais, o chumbo e o polietileno são classificados como commodities. Portanto, o custo destes materiais no Brasil sofre forte influência do valor praticado no mercado internacional. De outubro de 2020 a setembro de 2021, o valor da tonelada métrica de chumbo registrou um aumento de 26,57%, com um viés de queda de 6,88% no mês de setembro de 2021. (https://www.indexmundi.com/pt/pre%E7os-de-mercado/?mercadoria=chumbo&meses=12).

Já para o polietileno, esta variação foi de cerca de 19% para o mesmo período e, igualmente, com viés de queda no mês de outubro na ordem de 10% (https://br.investing.com/commodities/lldpe-futures). Portanto, para as duas matérias primas, foram observadas significativas oscilações no custo ao longo dos últimos doze meses.

Quanto um atleta no exterior paga pelo cartucho?

A resposta para esta pergunta não é facilmente obtida em função de variáveis que ocorrem sobre o preço que o atleta paga pelos cartuchos. Existem questões como os impostos locais, os valores diferenciados para clubes de tiro, as promoções em decorrência da quantidade adquirida e ainda a similaridade de caraterísticas técnicas entre os cartuchos.

Para responder esta pergunta, fizemos uma pesquisa nos preços praticados na Inglaterra e nos Estados Unidos. Foram selecionadas algumas marcas de cartuchos comumente utilizadas procurando manter certa similaridade com os cartuchos nacionais. Ou seja, para a comparação, selecionamos cartuchos confeccionados com tubos de polietileno e que utilizavam buchas de plástico e esferas de chumbo. Para melhor comparar os preços, os cartuchos foram divididos em categorias em função da massa de chumbo (24g, 28g, 32g e 36g).

Cartuchos com buchas biodegradáveis ainda não são fabricados no Brasil. Foto: divulgação.

Os preços foram pesquisados em sites de lojas especializadas da Inglaterra, Estados Unidos e Brasil (www.armasemunicoes.com.br). Os preços levantados são relativos às promoções para a compra de no mínimo 1.000 cartuchos (Inglaterra) ou 250 cartuchos (EUA e Brasil). Os preços levantados incluem os impostos, ou sejam: para a Inglaterra 20%, para o Brasil (MG) 25% e para os EUA 6,25% relativo ao estado de Illinois.

A simples comparação de preços é interessante, porém não é totalmente correta em função da renda média e o custo de vida variarem significativamente entre os países. Ou seja, os valores devem ser avaliados de maneira relativa. Para considerar esta variável, foi utilizada a abordagem clássica que, de maneira aproximada, permite comparar os preços de produtos com base no valor de um produto comum em diversos países. Ou seja, cria-se uma referência que embute o custo de vida de cada país. No caso dessa pesquisa, optou-se pela utilização do sanduiche Big Mac da rede McDonald’s.

Da mesma maneira, os preços observados na Inglaterra e nos Estados Unidos não podem ser considerados como absolutos — uma vez que é comum encontrar variações de preço em decorrência de eventuais promoções.

Preço de cartucho na Inglaterra

Foto: divulgação

Para a avaliação dos preços de cartuchos na Inglaterra, foram levantados valores de sete marcas distintas. No entanto, em função de as marcas apresentarem variabilidade de composição — como tubos e buchas com materiais biodegradáveis ou esferas de aço — a comparação ficou prejudicada pela impossibilidade de se ter exemplares das marcas nas quatro categorias de massa de chumbo.

No Reino Unido, as disciplinas de Sporting Clay (Percurso de Caça e Compak) são mais praticadas do que o Olympic Trap, Trap Americano e o Skeet. Por isso, existe maior disponibilidade de cartuchos com 28g de massa de chumbos em relação aos de 24g ou 32g.

Foto: divulgação

Como era de se esperar, existe grande variação de preços em função da marca e das características dos cartuchos. O menor preço (£ 0,19 ou R$ 1,41) foi observado para o cartucho da marca Rio, modelo Star Team Training, com carga de 24g e chumbo 7 1/2. O cartucho mais caro (£ 0,48 ou R$ 3,59) foi o da marca Gamebore, modelo Buffalo, com carga de 36g e chumbo 6.

Ao se considerar o preço do cartucho em relação ao preço do sanduiche Big Mac, o cartucho mais barato representa 0,052 do custo do sanduiche, ao passo que o mais caro, representa 0,132 daquele valor. Ou seja, com o valor de um Big Mac na Inglaterra é possível comprar 19 cartuchos da marca Rio, modelo Star Team Training ou 7,6 cartuchos da marca Gamebore, modelo Buffallo com carga de 36g de chumbo 6.

Tabela 1. Preço de diferentes tipos de cartucho (calibre 12) em libras, reais e unidades Big Mac comercializados na Inglaterra. Valores para compra de no mínimo 1.000 unidades. Valores da Libra em reais cotado em 18/11/21.

Alguns cartuchos comercializados na Inglaterra
Foto: divulgação

Preço de cartucho nos Estados Unidos

Foram levantados preços de cinco marcas de cartuchos comercializadas nos Estados Unidos. Assim como observado na Inglaterra, nos EUA também existe significativa variação de preços entre marcas e entre cartuchos com características distintas. Dentre as marcas listadas, o cartucho mais barato ($ 0,36 ou R$ 2,01) é da marca Herter’s enquanto o mais caro ($ 0,77 ou R$ 4,25) é o tipo BPT Performance da Browning com carga de 32g e chumbo 7 ½. 

Foto: divulgação

Considerando o preço relativo ao custo de vida nos Estados Unidos, com o valor de um sanduiche Big Mac, é possível comprar 14,3 cartuchos Herter’s modelo Hunting com 32g de chumbo 8. Ou comprar 6,8 cartuchos Browning BPT Permance com 32g de chumbo 7 ½.

Foto: divulgação

Tabela 2. Preço de diferentes tipos de cartucho (calibre 12) em dólar, reais e unidades Big Mac comercializados no Reino Unido. Valores para compra de no mínimo 250 unidades. Valores do Dólar em reais cotado em 18/11/21.

Alguns cartuchos comercializados nos Estados Unidos
Foto: divulgação

Preço do cartucho no Brasil

Como no Brasil existe apenas um fabricante de cartuchos para a prática de tiro esportivo, as opções se limitam apenas naquelas oferecidas pelo fabricante. No entanto, se compararmos com a variedade de modelos que a empresa apresenta em relação à disponibilidade em outros países, observamos que existe uma boa variedade de opções de uso. A questão passa a ser em relação à variedade de material de confecção, como o uso de materiais biodegradáveis e esferas de aço ou mesmo no revestimento das esferas de chumbo com outros metais ou ligas.

Enfim, partindo de uma boa variedade de opções de escolha quanto ao diâmetro das esferas, carga de chumbo e tipo e quantidade de pólvora, foram selecionados nove modelos de cartucho.

Cartucho T200 Light CBC
Foto: Luiz E. Dias

Os cartuchos mais baratos disponibilizados para os atiradores esportivos brasileiros são aqueles com carga de 24g de chumbo, nos modelos F-150 e D-150, ao preço de R$3,02 (ICMS MG), enquanto os maios caros (R$ 6,43) são os P-25 e C-25 com carga de 36g de chumbo para a prática de Hélice e Percurso de caça, respectivamente.

Ao comparar os valores do cartucho mais barato e o mais caro em relação ao preço do sanduiche Big Mac no Brasil, verifica-se que o valor do sanduiche seria suficiente para comprar 3,6 cartuchos com 24g de chumbo e apenas 1,7 cartuchos de 36g para a prática de tiro a Hélice, por exemplo.

Tabela 3. Preço de diferentes tipos de cartucho (calibre 12) em reais e unidades Big Mac comercializados no Brasil. Valores para compra de no mínimo 250 unidades.

Quer saber mais sobre os cartuchos CBC de 32g de chumbo? Veja o artigo:https://revistapedana.com/compacao-de-cartuchos-t200-light/

Comparando os preços entre os países

A comparação entre preços de cartuchos no Reino Unido, Estados Unidos e no Brasil conduz a uma análise simplista de que é evidente que ao se considerar —mesmo que de uma maneira passível de críticas — o valor que um atirador esportivo paga pelo cartucho, insumo básico para a prática do desporto, é significativamente mais caro do que aquele pago por seus colegas na Inglaterra e nos Estados Unidos.

O termo simplista utilizado para qualificar a comparação decorre, obviamente, da complexidade de se fazer uma comparação de preços de produtos ou serviços entre países, dada as inúmeras variáveis que deveriam ser consideradas. A utilização do preço do sanduiche Big Mac é uma abordagem comum para este tipo de comparação.

Para facilitar a comparação, os cartuchos foram divididos em categorias em função da massa de chumbo existente em cada um. Comparando simplesmente o preço em reais dos cartuchos, a maior diferença de preço se observa para o cartucho de 36g de chumbo, que é vendido, em média, mais barato na Inglaterra e mais caro no Brasil, sendo esta diferença maior que duas vezes. Para as demais categorias, (32g, 28g e 24g) o valor pago no Brasil continua maior, porém a diferença de preço (em reais) não é tão grande como a observada para o cartucho de 36g.

Preços médios de cartuchos, com diferentes massas de chumbo, nos Estados Unidos, Inglaterra e Brasil. Valores em reais de acordo com a cotação da Libra e do Dólar em 18/11/2021.

Considerando a “moeda Big Mac” o atleta brasileiro paga perto de 0,3 unidades pelos cartuchos de 24g, 28g e 32g e quase 0,6 unidades pelo cartucho de 36g. Já os atletas ingleses americanos pagam valores menores que 0,1 unidades pelos cartuchos com menores massas de chumbo. Ou seja, considerando o custo de vida dos três países, o preço relativo do cartucho praticado no Brasil é muito maior. Vejamos o caso do cartucho de 32g utilizado para o Trap Americano: o brasileiro gasta quase 1/3 do valor de um Big Mac para cada cartucho, enquanto os ingleses e americanos gastam cerca de 1/10 do valor que eles pagariam por um Big Mac.

Valores médios de cartuchos em unidades do sanduíche Big Mac, com diferentes massas de chumbo, nos Estados Unidos, Inglaterra e Brasil. Valor do Big Mac em 18/11/2021.

Considerando os preços médios entre as categorias dos cartuchos, o valor pago no Brasil em relação ao pago na Inglaterra, em unidades Big Mac, chega a ser mais de cinco vezes no cartucho de 36g e de 4,24 vezes no cartucho de 24g. Em relação aos preços praticados nos EUA a diferença é um pouco menor, porém igualmente significativa. como a observado para os preços praticados na Inglaterra.

Valores relativos pagos por cartuchos com diferentes massas de chumbo em relação aos preços praticados na Inglaterra e nos Estados Unidos, em unidades do Big Mac.

Enfim, o aumento de preços observado no Brasil nos últimos 12 meses também foi verificado na Inglaterra e nos Estados Unidos em função do aumento nos preços das commodities. Outro fator a ser considerado na comparação de preços, é o fato de que o consumo de cartuchos nos EUA e na Inglaterra é significativamente maior do que no Brasil, fato que deve impactar o custo de produção no Brasil. De qualquer maneira, guardando as ressalvas da abordagem comparativa realizada, a resposta à pergunta efetuada no título do artigo é: sim! Em relação aos preços praticados nos EUA e na Inglaterra, estamos pagando caro pelo nosso cartucho.

Qual seria a solução para este problema que está afetando fortemente o tiro esportivo? Subsídios governamentais? Isenção de impostos? Isenção de taxas de importação? A discussão deste assunto é longa e complexa e deve ser realizada a partir de um amplo debate com o envolvimento do Governo Federal, dos governos estaduais, do fabricante e das entidades que representam os atleta e fazem a gestão do tiro esportivo no Brasil. Enquanto o cenário não muda, nos resta observar colegas do tiro ao voo desanimados e reduzindo drasticamente a prática do esporte. Como recentemente disse Valdir Abel – presidente da LNTP – em entrevista à Revista Pedana: “estamos passando por um momento crítico em nosso esporte e precisamos, mais do que nunca, nos unirmos para que mudanças ocorra e o tiro ao prato volte a crescer e se desenvolver no Brasil.” Atletas com qualidade de tiro e dedicação não faltam no país!!!